JORNALISMO EM ÁREAS DE CONFLITO

Abertas inscrições para curso de jornalismo em áreas de conflito

Oportunidade para trocar experiência com jornalistas

Com informações da Oboré

Des volontaires de la Croix-Rouge du Soudan du Sud et des employés du CICR déchargent du matériel de pêche d'un avion du CICR. South Sudan Red Cross volunteers and ICRC staff unload fishing kits from a plane for a distribution to take place that day. Site web du CICR, article du 27 juillet 2015 : "Les déplacements, l'insécurité, les inondations et de nombreux autres problèmes empêchent beaucoup de Soudanais de produire ou d'obtenir de quoi s'alimenter. Ces problèmes sont aggravés par la reprise des combats qui ont déplacé des milliers de personnes, les empêchant de cultiver leurs terres et leur coupant l'accès aux marchés. Marijka Van Klinken est nutritionniste. Elle nous explique en quoi a consisté l'action menée par le CICR jusqu'à présent. Que fait le CICR face à l'insécurité alimentaire ? Dans sa lutte contre l'insécurité alimentaire, le CICR donne la priorité à la prévention, son assistance devant améliorer la sécurité alimentaire de la population avant que celle-ci ne connaisse la malnutrition, et dans les cas où il y a déjà malnutrition, à en réduire la prévalence autant que possible et à augmenter la résilience de la population. L'action préventive du CICR consiste donc à distribuer des vivres dans les situations d'urgence et à fournir aussi des semences quand une solution durable est possible et envisageable. À ce jour, le CICR a déjà distribué plus d'un million de rations alimentaires pour un mois dans plusieurs des régions les plus touchées du pays, et il a également fourni des semences et des outils à près de 400 000 personnes. Du fait de la récente intensification des combats et de l'augmentation de l'insécurité, l'accent devra nécessairement être mis à court terme sur l'aide d'urgence et la distribution de rations alimentaires. Comment procède le CICR dans de tels cas ? Au Soudan du Sud, des distributions de rations alimentaires ont été effectuées sur la base de notre évaluation des besoi

(Foto: Divulgação)

O XV Curso de Informação sobre Jornalismo em Conflitos Armados e outras Situações de Violência está com inscrições abertas para alunos de todo o País. O curso é promovido pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), parceria com a OBORÉ e a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji). Desde 2001, juristas, militares, policiais e jornalistas debatem com os estudantes informações sobre as normas internacionais aplicáveis em situações de conflito armado e demais situações de violência com foco sobre o trabalho da imprensa nestes contextos. Além disso, o curso apresenta o perfil da ação humanitária do CICV em mais de 80 países.

O curso ocorrerá entre os dias 10 de setembro e 29 de outubro de 2016. Neste ano, os conferencistas serão o assessor jurídico do CICV, Gabriel Valladares; o especialista em segurança pública e direitos humanos e assessor do CICV, André Vianna; o repórter e apresentador do SBT, Marcelo Torres; e o oficial do Centro de Comunicação Social do Exército (CCOMSEx), cel. Ulisses Mesquita Gomes.

As inscrições serão aceitas até o dia 08 de setembro através do preenchimento do formulário online clicando AQUI. Somente 20 estudantes serão selecionados. Entre as etapas do processo seletivo o candidato deverá participar do encontro de confraternização com a presença do chefe da delegação regional do CICV para Argentina, Brasil, Chile, Paraguai e Uruguai, Lorenzo Caraffi, no dia 10 de setembro, sábado. É quando será feito o teste de seleção com avaliação do perfil do interessado para traçar quais deles terão melhor aproveitamento do curso.

A partir desta data e  até 29 de outubro de 2016, sempre aos sábados, em São Paulo, capital, serão ministrados os encontros do curso, palestras de cerca de 40 minutos com um convidado, com entrevista coletiva ao final, sendo que os alunos produzem uma reportagem da entrevista, sendo orientados individualmente nesta produção.

Após a seleção, os estudantes deverão entregar um cheque no valor de um salário mínimo (hoje em R$ 880,00) e assinar um pacto de reembolsa, para se matricular no curso. As regras do curso estabelecem que o cheque não será descontado se o estudante:

1. Participar de todos os encontros;

2. Redigir um texto jornalístico ao final de cada encontro;

3. Agendar e comparecer a um atendimento individual com a coordenação pedagógica do curso; e

4. Publicar um dos textos produzidos em um veículo com editor responsável.

O aluno que cumprir todos esses critérios receberá o cheque de volta (Reembolsa) ao final do módulo, após o encerramento e a entrega dos certificados.

Se interessou? Então veja a programação:

Encontro de confraternização e seleção dos candidatos
– 10 de setembro 9h00

Apresentação de Lorenzo Caraffi, chefe da delegação regional do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV)
Local: Matilha Cultural | R. Rego Freitas, 542 – Vila Buarque, São Paulo – SP

Conferências de imprensa / Entrevistas coletivas:

– 24 de setembro 9h00
Introdução ao direito aplicável nos conflitos armados
Gabriel Valladares, assessor jurídico do CICV

– 01 de outubro 9h00
Normas internacionais aplicáveis à função policial no uso da força e de armas de fogo
André Vianna, especialista em segurança pública e direitos humanos e assessor do CICV.

– 08 de outubro 9h00
A relação com a imprensa em missões de paz
Cel. Ulisses Mesquita Gomes, oficial do Centro de Comunicação Social do Exército (CCOMSEx)

– 15 de outubro 9h00
Cobertura da imprensa brasileira de conflitos armados e outras situações de violência
Marcelo Torres, repórter e apresentador do SBT

– 29 de outubro 10h30
Encontro de avaliação e entrega de certificado
Lorenzo Caraffi, chefe da delegação regional do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV)